terça-feira, 4 de agosto de 2009

Papo de amigo.

Então...
Olha só que coisa:

Um amigo me chamou para conversar. Quando um amigo faz isso, ou é pra chorar as pitangas ou é encrenca! Primeira opção.
Ele é casado já faz uma cota, ama a esposa, tem emprego fixo, carro zero, casa bacana, os negócios vão bem, obrigado, e mesmo assim existe um “mas”. Que vou chamar aqui de... Neide, não... éééé... Maria? Não também.... Joana. Pronto. O “mas” do meu amigo se chama Joana. Marcos e Joana. Marcos também é nome fictício.

“Murfy, tá foda veio! Sai com a Joana outro dia”
Da facu? – perguntei já sabendo que se fosse a história seria longa:
_ É meu, você acredita? Me ligou semana passada, disse que estava vindo pra cá junto com uma amiga, que a amiga ia ficar o dia todo em reunião e não tinha o que fazer.
_ Ai caralho! – comentei esperando o tamanho da bomba.
_ Foda... que se eu estivesse livre, pra gente se ver, tomar um café.

Corta.
Flashback

Faculdade, 2001, Marcos e eu sentávamos no fundo da sala, um de cada lado da Joana. Trio parada dura!
Joana se apaixona por Marcos. Marcos fica com Joana. Depois de alguns meses Marcos desencana. Mais alguns meses eu fiquei com ela. Somos amigos até hoje, mas só amizade mesmo. Só que confidentes. Ela sempre me falou do Marcos e foi perdidamente apaixonada por ele.
Era uma relação “Chicoriana”: Pedro amava Dora, que amava Leia, que amava Paulo que amava sei lá quem e por ai vai. Semanas antes da formatura Marcos fica com Ana com quem veio a se casar 4 anos depois.

Corta
Fim do flashback

_ E ai?
_Ai ela me ligou. A Ana trabalha que nem uma loca e chega em casa lá pelas 11 da noite. Naquela semana eu estava bem tranqüilo... ai fui. Mas fui na boa, ta ligado né Murfy? A Ana é super massa, curto ela pra kct.
_To ligado.
_ A gente foi no boteco ali na Afonso Bovero que eu fui com você, lembra? – Lembrava, fuleiro, barulhento, nada romântico – E você não acredita como a Joana esta diferente.
_ Diferente como?
_Diferente. Não é a Joaninha. É a JO-ANA. Mulher. Madura. Inteligente.
_Po! Mas também né Marcola? Mais de 10 anos!
_ Eu sei Murfy, mas o problema não é esse. É que você acredita que ela ainda gosta de mim? Me olha do mesmo jeito. E uma mulher daquela meu querido, balançou o menino!
_Puts meu. Comeu?
_Naaaaa. Só foi papo só.
_Nem um beijinho?
_Nada, só abraços e mãos dadas. E não sei Murfy. Ela gosta de mim desde sempre e eu gostava dela, mas faltava alguma coisa. Agora não falta mais! ( risos )

Comecei a pensar em várias coisas. Inclusive no texto de ontem que escrevi. O que me fez perguntar:
_ Marcão, o que você sente pela Ana?
_ Pela Ana?
(silencio)

_meu...
(mais silencio)

_não sei nem te dizer o quanto eu amo a Ana. Não consigo me ver sem ela. To até querendo ter um filho.
_Caralho! Pra quem não podia ver criança! Bicho... Se liga: Até um tempo atrás estava cheio de duvidas buscando exatamente essa sua certeza. A Ana é mó gata, vocês 2 juntos estão juntando uma puta grana, você a ama como nunca amou ninguém, vai deixar seu pinto falar mais alto?

_Não parou por ai. Ela me escreveu semana passada. Deixa te mostrar.

Fomos até o escritórinho, entramos no email e li.

Lindo email. Paguei mó pau! A Joana se declarou. Disse coisas que mostram o quanto ela o amava. E ama! Abriu o coração. Explodiu todos os sentimentos que estavam guardados. E o mais doido: disse que não se sentia “a biscate que não sente frio” dando em cima de homens casados e nem que queria que ele deixasse a Ana pra ficar com ela, mas que não agüentava mais. Terminou dizendo que jamais esqueceria a historia que viveram e que o amor nunca morreria.

Quase chorei. Engoli duro e disse:

_ Na boa... você vai responder?
_Não sei ainda
_Responda! Seja o mais sincero possível. Não omita nada. Diga o que sente. Mesmo que ela não responda de volta, tenho certeza que ela vai se sentir feliz. Aliviada também.
_Como você sabe?
_Longa história, Marcão. Um dia eu conto. Mas vai por mim. Mesmo porque, só assim pra você desencanar. E ela também.

Fim de papo.

Incrível como a vida nos ensina. E como as histórias se repetem.
Estou abrindo o casulo e minhas asas estão começando a sentir o ar fresco.
As coisas estão cada vez mais claras. Hoje me senti pleno. Feliz pelos amigos que amam, pelas amigas que erram “sem querer (querendo)”, pela sabedoria que adquiro estando perto deles. Feliz por sentir o coração cheio e a mente vazia.
Queridões e queridonas, amo todos vocês!

2 comentários:

  1. Bom, embaçado comentar história alheia, né? Principalmente pq não conhecemos todos os pontos e pans, mas posso falar?

    Eu creio no seguinte: a partir do momento que vc resolveu casar, vc resolveu se fechar pro mundo. Pra mim num tem essa histórinha de "eu amo a fulana, só quero matar essa história com a ciclana de vez". Pq quem trai uma vez, trai duas, trai três.

    Então casou? Ama a mulher e quer viver uma vida com ela? Vira pra ciclana e fala isso. Que gente, de boa, quem vive de passado é museu.

    Mas como eu sei que palavras se perdem no vento... vai saber.

    ResponderExcluir